Ronda fala finalmente sobre o TUF 18 “Fomos maltratados e desrespeitados por toda a equipe de produção”

Em entrevistas para a divulgação do UFC 168 na semana passada, Ronda Rousey falou pela primeira vez sobre o TUF 18.

“Eles precisavam de um vilão e me encaixaram no papel. Isso é bom! Eu não fazia as coisas de propósito no set pensando no que iam mostrar. Não imaginava que a experiência poderia ser terrível para mim”. afirma a campeã peso galo do UFC.

Ronda já admitiu que nunca foi fã do The Ultimate Fighter e após passar pela experiência, a impressão piorou.

“Nós realmente fomos maltratados e desrespeitados por toda a equipe de produção. E todos faziam de tudo para obter a resposta mais dramática possível”.

Como exemplo, Ronda conta que sua equipe técnica, liderada por Edmund Tarverdyan não foram pagos para a primeira metade das gravações e em seguida, foram informados que iriam passar por verificação de antecedentes.

“No meio do show, nós já estávamos lá por três semanas… eles ainda não tinham pago meus treinadores, e de repente vieram até nós e disseram que precisávamos passar por verificação de antecedentes. No meio do show!!! Eles falavam como se fosse um procedimento normal. É o procedimento normal você não pagar as pessoas para fazerem o show? e então você inventa uma verificação de antecedentes, depois de três semanas?” conta indignada.

Em seguida, Ronda conta que aconteceu o confronto entre o veterano Dennis Hallman, treinador convidado do Team Tate e seu principal treinador, Edmond.

“Eles o trouxeram para ferrar com Edmond para que eles pudessem expulsá-lo do reality e para que ficássemos sem treinador. Eles não mostraram a parte onde Dennis procura Edmond no estacionamento. Eles não mostraram isso. Eles só mostram a reação quando eu empurrei Edmond e disse para ele não fazer nada, pois ele ficaria em apuros. Eu disse a Dennis: “Você realmente quer fazer isso? Você realmente quer lutar? Me dá o seu telefone, vamos nos encontrar longe das câmeras… E é claro que ele não deu o seu número”.

Ronda conta que toda a equipe de Miesha fazia cena para as câmeras. Se faziam de vítimas, mas por trás ficavam instigando sua equipe.

Apesar de todos os problemas e da imagem desgastada, Ronda afirma que não se arrependeu de ter feito o TUF 18, por um único motivo. O reality ajudou a elevar o MMA feminino.

“Se você acha que o The Ultimate Fighter foi a melhor oportunidade para mim naquele momento, você está errado. Ele precisava ser feito para aquelas meninas, para que a categoria se beneficiasse com isso”.

E é claro que Ronda não deixa de dar uma cutucada na rival, Miesha Tate.

“Para Miesha foi a melhor oportunidade que ela tinha no momento. Foi muito importante para ela se sair bem, porque era o seu momento. Eu não preciso que todos me amem, isso não importa para mim. Eu posso lidar com isso, mas eu precisava fazer o reality para aquelas meninas, elas são as minhas filhas a longo prazo e eu ficaria chocada se a Miesha souber onde estão suas “filhas” hoje”.

Ano que vem o UFC vai realizar o primeiro TUF com participação exclusivamente feminina para definir a campeã do peso palha. Liz Carmouche já pediu para ser uma das treinadoras.

“Liz é uma garota mito legal e se ela diz que quer fazer isso, então eu apoio totalmente, se é isso que ela quer. As meninas do peso palha, os homens, eles são durões. Acho realmente encorajador outra categoria feminina no UFC, isso mostra que temos feito a diferença”.

Ronda estava fora dos Estados Unidos quando o TUF 18 foi ao ar e ao ser perguntada se tem vontade de assistir, ela responde sem papas na língua. “Foi difícil enquanto eu estava gravando. Porque eu iria querer assistir uma versão ainda pior?”.

COMENTÁRIOS

comentários

Fabíola Nishi

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA