Especial Ronda Rousey: O retorno ou o fim, parte II ” O impossível aconteceu”.

No artigo passado falamos sobre a ascensão meteórica de Ronda Rousey e seus efeitos no mundo do MMA feminino. (Especial Ronda Rousey: O retorno ou o fim, parte I clique AQUI).

Neste bloco vamos relembrar um dos acontecimentos mais chocantes de 2015. Acompanhe agora na segunda parte do artigo: “O impossível aconteceu”.

A luta era para acontecer contra Miesha Tate em janeiro de 2016, que havia se recredenciado para a disputa de cinturão após emplacar 4 vitórias consecutivas, porém duas grandes mudanças tornaram o rumo da história totalmente diferente. Devido a uma lesão do Campeão Robbie Lawler, que faria a luta principal do UFC 193, o evento decidiu antecipar a defesa de cinturão de Ronda e também surpreender o público anunciando que a desafiante não seria mais Miesha Tate e sim Holly Holm, mesmo tendo apenas 2 lutas no evento e vencidas por decisão dos juízes laterais.

Enquanto Holly Holm se dedicava exclusivamente ao maior desafio de sua carreira, Ronda conciliava seus treinos com diversas aparições em programas de tv, sessão de fotos para revistas de esportes e até mesmo a gravação de um longa metragem, além de outros eventos que participava não apenas para divulgar sua luta, mas também para fortalecer sua imagem ainda mais na mídia. Curiosamente Ronda Rousey parece ter tido uma “premonição” de como aconteceria sua luta. Ao responder ao apresentador Jimmy Fallon sobre como ela achava que se daria a luta um mês antes que o combate acontecesse, Ronda respondeu:  “Essa luta vai ser muito mais longa do que as anteriores, porque ela é 19 vezes campeã de boxe, com 100% de defesa de quedas e nocautes com chutes na cabeça. Ela está invicta e é uma atleta maravilhosa, definitivamente o maior perigo que já enfrentei.(…) Acho que ela vai tentar manter a distância para me deixar tão frustrada a ponto de eu cometer um erro e aí ela vai tentar chutar a minha cabeça, mas isso não vai acontecer. É apenas o que ela quer.”

Jimmy Fallow

Foi na Austrália, na cidade de Melbourne em 14 de novembro de 2015, frente a quase 60 mil pessoas que Ronda conheceria o gosto amargo de sua primeira derrota. E que derrota, diga-se de passagem! É evidente que Ronda tinha muitos motivos para entrar com confiança total por inúmeros fatores. Depois de atropelar tantas atletas no primeiro round, ser considerada a maior atleta de todos os tempos no WMMA, e ver sua adversária sendo cotada como a maior azaram de todos os seus duelos( chegando a 20 por 1 nas bolsas de apostas), dificilmente Ronda não deixaria todo esse hip em volta de si afetar seu psicológico. Aliás não dá pra esquecer a postura de Ronda frente a Holly Holm na pesagem oficial no dia anterior à luta. Muitos dizem que o escândalo criado por Ronda na encarada foi apenas para promover a luta, já que Holly adotou uma postura mais respeitosa e de poucas palavras.

Image-3

O dia da luta chegou e Ronda fez todo seu ritual de costume, entrou com a cara fechada caminhando rapidamente para o octogono e repetiu o que havia feito com adversarias anteriores( Miesha Tate e Bethe Correia) se recusando a tocar as luvas no início da luta, mesmo não tendo criado nenhuma rivalidade extra octogono com Holly Holm. O primeiro round começou como já era esperado, com Ronda indo para cima da adversária, buscando um golpe ou uma queda que a levasse a acabar logo com o combate, porém Ronda cometeu o seu maior erro, ao acreditar que poderia trocar de igual para igual com Holly Holm, uma multicampeã de boxe. Não demorou muito e a trocaçao de Ronda foi se mostrando amadora, enquanto Holly não desperdiçava golpes e acertava com muita potência e precisão o rosto de Ronda. Apesar de Ronda ter conseguido uma queda, Holly fez o dever de casa e treinou muito a defesa da famosa chave de braço de Ronda e logo ficou de pé, não dando chance para a adversária desenvolver seu excelente jogo de solo.

No decorrer da luta foi ficando nítida a frustração de Ronda por não conseguir acertar sua adversária, que se movimentava muito, e para piorar sua situação, Holly Holm surpreendeu a todos jogando Ronda Rousey para o solo apenas para deixar a luta mais emocionante e de quebra abalar ainda mais o psicólogo da campeã. Ao findar o primeiro round, a equipe de Ronda orientou que ela continuasse com o mesmo jogo, ainda que tendo sido muito golpeada pela oponente que também demonstrava melhor preparo físico para a luta. Não durou muito tempo para Ronda ser nocaulteada, aliás a até então campeã retornou ao segundo round apenas para ser castigada (Ronda não acertou um golpe sequer no 2 round) e experimentar a primeira e devastadora derrota. Como ela mesma havia previsto, após se desequilibrar com um potente direto de esquerda de Holly Holm, Ronda nem viu o que lhe aconteceu. Um chute certeiro com a canela no queixo, a fez cair nocauteada para voltar a consciência segundos depois sem entender o que havia acontecido. A era Rousey chegava ao fim!

Holly Holm x Ronda Rousey

A repercussão do incrível feito de Holly Holm girou o mundo, ” quebrou” casas de apostas, e fez nascer novas discussão a respeito da divisão, visto que pouquíssimas pessoas acreditavam que Ronda um dia perderia e se discutia a dificuldade de encontrar oponentes a altura de Ronda Rousey.

Mas, o que poderia ter causado a derrota de uma das maiores atletas de todos os tempos, fazendo com que a maior zebra se tornasse a nova campeã da categoria?  Não era novidade para ninguém que Ronda dedicava seu tempo a diversas atividades, fazendo com que seu foco na luta fosse dividido com outras questões. Além do mais, a mídia criou em cima de Ronda uma imagem de mulher invencível ( o que de fato parecia ser), o que talvez tenha a deixado relaxada demais, a ponto de subestimar a capacidade de suas adversárias de lhe derrotarem. Ronda declarou na semana da luta com Holly que poderia vencer qualquer lutadora com apenas uma das mãos, deixando claro a maneira como enxergava suas adversárias. Em sua última luta contra Bethe Correia, Ronda calou a brasileira ao lhe nocautear, buscando provar que era capaz e boa o suficiente com as mãos ( no boxe) visto que Bethe vinha lhe provocando e questionando a qualidade de sua trocaçao. Um fator que pode ter lhe levado a queda, foi querer vencer suas oponentes usando o ponto forte delas, o que acabou funcionando com Bethe, mas dando muito errado contra Holly.

Muitas pessoas e até mesmo parte dos críticos chegou a acreditar que Ronda Rousey não passava de uma criação bem elaborado da mídia após sua derrota para Holly e que muito do que se falava à seu respeito não passava de uma forte promoção por parte do UFC e seus interessados. Tendo sido Ronda Rousey uma campeã legítima ou não( discutiremos isso no próximo artigo) a categoria peso galo do UFC tomou outra realidade e novas atletas passaram a ter um destaque que havia sido “roubado” pela maior estrela do evento. Fato é que após o fim do reinado de Ronda, duas outras atletas já foram campeãs e a categoria segue sem sua maior estrela.

Image-5

Na última parte deste artigo especularemos sobre o retorno de Ronda Rousey ao octogono, a possível revanche com Holly Holm, uma super luta com Cris Cyborg e os possíveis resultados de uma trilogia com a atual campeã Miesha Tate, alem do novo rumo da categoria peso galo que foi por tanto tempo dominada por uma única mulher. Você não pode perder a terceira parte deste artigo:

“O sonho pode não se tornar realidade”.

 

COMENTÁRIOS

comentários

Edgard Garcia
Edgard Garcia, brasileiro, amante de lutas e de esportes. "Vejo o MMA como paixão mundial dentre alguns anos, e amanhã, quando olhar para trás, quero ver o quanto o esporte evoluiu, as oportunidades cresceram e a vida de muitos tomou um rumo melhor por meio do desporto".

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA