Bethe Correia: A grande culpada pelas derrotas de Ronda Rousey. Entenda: 

O mês de agosto de 2015 marcou a última vitória de Ronda Rousey no MMA. Na ocasião, a americana defendeu pela sexta vez o seu título contra a brasileira Bethe Correia na casa de sua adversária. Antes da luta houve muita provocação por parte de ambas e uma dessas provocações acabou sendo decisiva na carreira da americana. 


Bethe Pitbull afirmou que a trocação de Ronda era péssima, e que a americana nunca havia aplicado um jab em suas lutas e também não sabia usar os chutes. Isso motivou Ronda a afirmar que mostraria a Bethe que ela estava errada e que a faria engolir suas palavras. Bem, Ronda passou a dedicar maior parte do seu treinamento sobre tutela de seu treinador de boxe, Edmond Tarverdyan, que desde antes da primeira derrota de Ronda já era alvo de críticas por parte de alguns atletas, incluindo a ex campeã mundial de Judô e Mãe de Ronda Rousey, AnnMaria de Mars. 

O fato foi que Ronda cumpriu sua palavra e derrotou Bethe Correia com um belo nocaute, surfando na Praia da adversária que se afirmava superior no fundamento da trocação. A confiança de Ronda se elevou a tal ponto que seu treinador afirmou que Ronda poderia lutar boxe com qualquer uma, inclusive nocautear Holly Holm. Na semana da luta que marcaria sua primeira derrota Ronda declarou: “Posso vencer qualquer garota da divisão com apenas um braço”.

O segredo do sucesso envolve vários fatores e além do treinamento pesado, da alimentação correta e de um bom sono, uma pitada de sorte não faz mal a ninguém. Se olharmos para o retrospecto das vitórias de Ronda, é possível considerar que o fator sorte esteve ao seu lado por um bom tempo. Lembram daquela joelhada que definiu a luta contra Sara Mcmann? Quantas vezes isso havia acontecido entre as mulheres no UFC? Nenhuma! Logo contra uma atleta olímpica fortíssima, Ronda encaixou com precisão o golpe que definiu o combate. Na luta contra Alexis Davis, logo nos primeiros segundos Ronda acertou um cruzado no queixo que balançou a adversária abrindo a porta para a queda que definiu a luta! Faz sentido Ronda dar um knockdown na atleta que suportou os poderosos golpes de Amanda Nunes vencendo a brasileira de virada? E o golpe certeiro que atingiu a têmpora de Bethe Correia? Enquanto Ronda saiu da luta com um sangramento no nariz, Bethe sofreu um único e definitivo golpe significativo que a levou a lona. 


Afirmar que a sorte foi uma grande aliada de Ronda Rousey não é nenhum absurdo quando sabemos que a técnica de boxe da americana não é nada boa, o que ficou muito claro em suas duas últimas lutas. Bethe Correia não foi capaz de vencer a luta contra Ronda Rousey, mas certamente foi eficiente ao entrar na mente de sua maior inimiga e fazê-la acreditar que poderia adotar o boxe como fundamento principal de suas lutas. Ronda tentou fazer com Holly Holm o que fez com Bethe Correia mas não teve a mesma sorte diante de uma atleta com tamanha técnica. Acreditar que poderia nocautear uma multicampeã de boxe seria o mesmo que acreditar que Holly Holm finalizaria Ronda por arm-lock. 

Mesmo vendo o que Amanda Nunes fez com Miesha Tate, Ronda e sua equipe dispensaram os treinadores de jiu-jítsu no Camp contra Amanda e focaram no boxe, o que decretou a derrota mais massacrante da carreira de Ronda Rousey que provou do seu próprio veneno. Ela que atropelou tantas adversárias, dessa vez foi atropelada demonstrando quão débil é o seu jogo de MMA. O judo que definiu 10 de suas 12 vitórias foi deixado de lado, tudo isso graças ao sucesso que teve ao nocautear a brasileira que a provocou. Talvez Bethe Correia não estivesse tão errada ao afirmar que Ronda não sabia lutar MMA e que não passava de uma lutadora de judô. 


Por fim, depois de vencer Bethe em 2015 e passar a acreditar que poderia nocautear outras meninas, Ronda não soube mais o que é vencer, e a Pitbull brasileira pode ter contribuído e muito para a troca de estilo tão radical do judô para o boxe, que não é eficaz comparado ao estilo fulminante que levou Ronda a levar “muitos braços” para casa e se sagrar a maior estrela entre as mulheres no MMA. Hoje, as palavras de Bethe Correia fazem mais sentido do que nunca! Uma grande parte dos fãs de MMA não desejam ver a aposentadoria da loira, porém se ela voltar, que use o seu melhor e que recupere a boa fase que fez seu nome conhecido em todo o mundo.

COMENTÁRIOS

comentários

Edgard Garcia
Edgard Garcia, brasileiro, amante de lutas e de esportes. "Vejo o MMA como paixão mundial dentre alguns anos, e amanhã, quando olhar para trás, quero ver o quanto o esporte evoluiu, as oportunidades cresceram e a vida de muitos tomou um rumo melhor por meio do desporto".